O que é?
Qual a sua importância?
Como fazemos?
Onde trabalhamos?


“Expandir a força de trabalho global de saúde pública”.
 
O Programa de Treinamento em Epidemiologia de Campo (Field Epidemiology Training Program – FETP) é um programa para desenvolvimento de uma força de trabalho global de epidemiologistas de campo, que ajudam a rastrear, conter e eliminar surtos antes que se tornem epidemias.
 
Quando ocorrem ameaças à saúde, os elementos treinados investigam e aplicam os seus conhecimentos para evitar que as pessoas fiquem doentes. Os epidemiologistas de campo comunicam rapidamente informações cruciais sobre problemas de saúde numa comunidade, incluindo doenças infecciosas e não transmissíveis e riscos ambientais.
 
Este programa concentra-se em habilidades práticas de vigilância, investigação de campo, colheita e análise de dados e comiunicação, permitindo assim, melhorar as habilidades epidemiológicas da equipa do Ministério da Saúde.

·         Aumentar a capacidade para reconhecer problemas prioritários de saúde pública;
·         Melhorar a pontualidade e precisão dos relatórios e análises de dados de vigilância em níveis local e regional;
·         Maior capacidade para fornecer uma análise descritiva de um problema de saúde pública;
·         Cultura mais forte na tomada de decisões baseada em dados;
·         Profissionais de vigilância bem treinados em todo o país;
·         Candidatos mais qualificados para o próximo nível do FETP.

Os programas de treinamento permitem que um quadro de profissionais seja treinado com habilidades para colheita de dados críticos e transformá-los em ação. “Aprender fazendo” é o mote do programa, em que os formandos passam mais de 75% do seu tempo em campo, a aprender acerca da investigação de surtos, a desenvolver estudos e a treinar outros profissionais de saúde – para ganhar experiência e competência em epidemiologia de campo.
O FETP desenvolve-se em três níveis: Avançado, Intermediário e Linha de Frente, sempre adaptado para atender às necessidades específicas do país onde está a ser implementado.



Os treinandos que “aprendem fazendo” prestam serviços de saúde pública enquanto adquirem habilidades essenciais para coletar, analisar e usar dados para dar prioridade a questões de saúde e informar decisões políticas.

O FETP está presente em mais de 80 países e já foram treinados 19 000 profissionais.
 
Na Guiné-Bissau, o FETP foi implementado em 2016, com a primeira turma FETP-Linha da Frente. Até junho de 2022 já foram realizadas 15 turmas de FETP – Linha da Frente, tendo sido capacitados 208 elementos, que atuam em diferentes áreas sanitárias do país.
A Guiné-Bissau conta também com 11 elementos treinados em FETP-Avançado.